Contos Online   Compilador hh
Comentarios
Mais livros impressos
Downloads   Fale Conosco
Herbert Hette no Face e no  Twitter @wwwhette
.
  Austrália Meu Amor  1ª edição  impressa Pétalas de Crepom  3ª edição  impressa Efeito Gauche Diana o Conto  em ebook  1ª edição  
.
o que estou lendo
.

.
.
.
.
título  Maria Bonita  Sexo, Violência e Mulheres No Cangaço
autora  Adriana Negreiros
editora  Objetiva
páginas  296
ano  2018

A história dos cangaceiros do sertão nordestino sempre me fascinarou. 'Lampião' e seu bando de um lado, e do outro os macacos cabeças de cuia, mais os coronéis aliados e desaliados com os dois lados e ao mesmo tempo. As escapadas espetaculares, os assaltos que exigiam muita coragem e esperteza. A fé dedicada a Padim Padi Ciço, adorado como santo ainda em vida, as mulheres que se juntavam aos bandos num lampejo romântico. A vida selvagem e livre ao céu do sertão só conquistado por homens e mulheres de paixão e fibra.

Bem, essa era a minha visão de adolescente. É pena que a realidade não seja mágica como os sonhos...

Meu primeiro contato com as proezas nas caatingas foi ao perguntar meu avô por que seu cachorro mais bravo e querido se chamava Jagunço e o que era isso? Daí descambar para as correrias no cerrado levou não um dedo, mas uma mão cheia de prosa. Meu segundo contato já estava aí, nas estórias dos velhos sobre as peripécias boas e ruins do cangaço. Mas eu só tinha ouvidos para os 'causos' onde homens duros e destemidos lutavam contra o governo corrupto, coronéis cruéis e a polícia pior que os próprios cangaceiros. Ahh e claro, as belas mulheres que se juntavam ao bando por amor e tesão.

Depois vieram as canções que começaram a fazer sentido para mim. "Se entrega Corisco!! Eu não me entrego não!... Só me entrego é na bala de parabelo na mão!!" e "Olê mulher rendeira. Olê mulher rendá. Tu me ensina a fazer renda, eu te ensino a namorar." ou o hit mais popular aqui por nossas bandas, "Acorda Maria Bonita. Acorda vem fazer o café! O dia já está raiando e a polícia já está de pé!"

Mais tarde um pouco, conheci o Cordel. Foi aí que me esbaldei. Tinha e tem de tudo, para todos os gostos, cores e ideologias. O Cordel nos joga na Idade Média européia sem nos tirar os devices microchipados de hoje. É onde a literatura consegue ser falada, lida, declamada, cantada e interpretada ao mesmo tempo. Mas é isso. A visão popular de eventos passados pela oralidade, por décadas e séculos, às vezes trazendo a carga emocional que pode não ter existido de fato na origem, mas agora retratados aqui no nosso contexto com um pouco de 'criatividade' ou faltando algum pedaço.
O Cordel é empírico, bruto, os sentidos na flor da pele, sem rebuscamentos científicos ou estéticos e sem compromisso com a realidade, contudo traz toda a pompa e pujança que a memória do povo guarnece.

Tudo que li antes sobre o cangaço trazia essa pegada romanceada e negligente, talvez contagiados pelo Cordel. Adriana Negreiros, não conseguiu ou não quis fugir disso. Então trouxe-nos o romantismo, as lendas em várias versões, e também pesquisas com boa profundidade sobre documentos, contextos, depoimentos de mortos e vivos, além do panorama rico e simultâneo de eventos fora do nordeste, pelo resto do Brasil e fora do Brasil.

Três coisas me chamam muito a atenção nesse livro "Maria Bonita Sexo, Violência e Mulheres no Cangaço", o esmero da autora em nos situar quanto aos valores do dinheiro de 50, 60, 80 anos atrás, nos dando ideia efetiva do que poderíamos comprar hoje com esse dinheiro. Isso é fundamental. Não me senti um ET nem tive vontade de correr atrás de um economista para saber quanto valeriam hoje 40 mil réis. Outra coisa boa é que a autora de fato pesquisou. Foi a campo e resgatou velhos registros de jornais e revistas. Tirou dos museus e de fundos de gavetas o que as pessoas viam, ouviam e liam todos os dias naquela época sobre o banditismo no sertão. Trouxe-nos as manchetes, nomes de repórteres, as circunstancias em que fizeram aquelas matérias, como ocorreram os fatos e 'causos' vistos por mais de um par de olhos, e isso não é comum na literatura sobre Lampião e seus camaradas, ou outra qualquer narrativa daquelas paragens. Mesmo o notável Euclides da Cunha entusiasmou-se com um texto empolado e ufânico cuja precisão tornou-se questionável por isso.

O que mais chama a atenção, e digno de louros, é que a autora consegue passar um 'documentário' bem embasado sobre Maria Bonita e as outras mulheres envolvidas no cangaço, sem ser chata, aborrecida; sem ser cansativa. Não envereda pelo feminismo panfletário nem pela caneta assexuada. Por ser um tema abortado quase que exclusivamente por homens, Adriana teve a sobriedade de não se neutralizar e nem se impor.
Ela não empurra aquela quantidade de dados estatísticos pedantes e soporíferos... Sabe? aquelas linhas e linhas que você nem lê, passa os olhos apenas pulando para a próxima. Pois é, nesse livro não tem isso. Dados biográficos, datas, nomes de lugares e tal são passados naturalmente. Não dá nem para senti-los.
O texto pedregoso e viscoso dos ensaios e relatórios de labs, teses, monografias e apostilhas de universidades e institutos ou os chavões e bordões mecânicos do jornalismo, graças aos deuses das artes, aqui não acontecem.

Outra coisa que gostei, é que, na inevitável profusão de nomes e sobrenomes, a autora quando se depara com um nome já citado páginas atrás, ela cria um link memorial, diz assim "é aquele que fez isso e aquilo" ou "é aquele lugar onde aconteceu isso e isso".

Enfim, gostei e gostei muito. Maria Bonita, a Maria de Déa, agora está devidamente revelada. Adriana Negreiros, embora na mídia já um tempo, é o seu primeiro livro... ótimo começo.


.







  AUSTRÁLIA MEU AMOR

                    

A empresa de gerenciamentos Consultores & Cia, tem em mãos uma proposta para de gestão e consultoria no mínimo 'inusitada.

O que seria um contrato corriqueiro de intermediação na venda de uma mega safra de soja, acabou por levar essa firma a parcerias internacionais inesperadas e voláteis. 

Executivos muito arrogantes, outros corruptos, paramilitares linha-dura e aventureiros do mundo todo vão de uma normal negociação de grãos às situações letais por céus e desertos australianos.

Austrália Meu amor, vai além da ação ou da simples aventura

              

O
que há de mais belo no espírito humano é confrontado com o que há de pior com aqueles que fazem qualquer coisa por dinheiro e poder.

No centro dessa tensão calcinante arde a Ganância onde tudo é permitido e descartável.
E o amor? O que acontece com os sentimentos?

É isso que te espera nesta narrativa forte que envolve e surpreende em cada página com situações e sutilezas que saltam do livro para ganharem vida à sua volta.

.
Reserve seu Exemplar

AUSTRÁLIA MEU AMOR
no formato impresso
327 páginas
Comprar
CONTOS & CRÔNICAS
online gratuitos
.
clic aqui

sobe

Contos Online   Compilador hh   Comentários   Downloads
Mais livros impressos   Dúvidas e Perguntas   Fale conosco   Parceiros
-

Receba textos inéditos em primeira mão
Herbert Hette no Facebook e no Twitter @wwwhette

ou envie-nos um e-mail
Conheça nossa Diretriz de Privacidade


©

.
Austrália Meu Amor  1ª edição  impressa   Pétalas de Crepom  3ª edição  impressa   Diana o Conto  em ebook  1ª edição         Efeito Gauche